A pipa

ChapAlto-120612-002-pipa-no-alto
de Valéria del Cueto

Tem uma pipa na minha vista. Ela é branca, daquelas que a gente fazia quando era criança, de tirinha de bambu, cortado com canivete, papel de seda e goma de farinha (como é que eu sei? Só sei…) e ficou presa numa árvore. Parece um salgueiro chorão, cercada de coqueiros e tendo ao fundo a imensidão da praia da Piedade e o mar pernambucano.

 Não sei se a pipa é feliz ali, presa entre os galhos da árvore, mas certamente infeliz ela não deve ser. Pode não ter um céu inteiro para voar, porém tem um certo balanço, um vento vem vento vai permanente  e não está aprisionada no fio de um poste qualquer, numa ruazinha poeirenta perdida na cidade.

Ela tem a brisa do mar, o cheiro do sal e o barulho das ondas. Tem também pelo menos uma função na vida. Em última análise, se não fosse ela, eu não estaria aqui, contando a história de um pedaço de papel, das varetas de bambu e da linha que prende a sua rabiola. Um detalhe branquinho no fundo verde dos muitos tons das folhas dos coqueiros e do mar infinito até o horizonte da costa pernambucana.

 Durante o CINE PE, que me levou a Recife, tive a chance de apresentar a pipa, presa bem em frente das nossas janelas, no hotel em que estávamos hospedados, para vários companheiros de festival. Sempre encontramos nela motivos para compara-la a nossa condição de convidados do evento. Estávamos ali, tal e qual pipas a beira mar. Presos as nossas histórias individuais, apresentadas na tela do Cine Guararapes e loucos para voar em outras direções, contar novas histórias, testar diferentes linguagens.

Porém todos acabamos concordando que, no nosso caso, por alguns dias, somos como pipas na praia, enfeitando a paisagem, balançando preguiçosamente ao sabor da brisa e não  do tipo enroladas nos postes e fios de favelas, becos, linhas de trens, beira de asfalto… ou ruas do subúrbio.

Pelo sim e pelo não, na fartura e na pobreza, é assim que me sinto. Como uma pipa, cuja função maior é a liberdade. Pronta para voar. Mas enredada num galho de uma árvore a beira mar, ou num fio qualquer, em qualquer lugar.

 


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s