Teu cenário é uma beleza!

Teu cenário é uma beleza!

Mangueira. Passado, presente e futuro. Os filhos fiéis celebram os 90 anos da verde e rosa.

Texto e fotos de Valéria del Cueto

Não sou a única que está assim. Procurando palavras. Sem encontrar uma forma adequada para expressar seus sentimentos sobre a Estação Primeira, a de Mangueira.

Não sei se foi minha primeira estação, tão volátil e inconstante que sempre fui nos meus (grandes) amores. Uma coisa tenho certeza. O verde e o rosa sempre estiveram ali. Natural e simplesmente.

A vida que me levava largou minhas lentes por lá. Por felizes coincidências e amizades muito especiais um dia aportei no Palácio do Samba. E, na curva da entrada do palanque daquela bateria, fiz morada.

Mas daí a conseguir sintetizar essa sensação vai uma longa distância. Uma distância que, certamente, ultrapassará os seus atuais e tão comemorados 90 anos de existência.

Não fui a única a quem a inspiração faltou. Vi muitos mangueirenses pescando palavras e juntando lembranças para tentar descrevê-la ou traduzi-la.

Quer saber? Desisti enquanto era tempo e voltei as energias para captar em imagens o que marcou as celebrações do aniversário no sábado, 28 de abril de 2018.

Visto assim do alto

Céu claro e tempo aberto na noite da véspera, dia de missa rezada no alto do Corcovado. Vários monumentos cariocas, inclusive o Cristo Redentor, se vestiram com o verde e rosa da “maior escola de samba do planeta”, como anunciava Luizito, seu saudoso intérprete.

Alvorada lá no morro

Na manhã de sábado a alvorada começou às 8 da manhã e juntou a comunidade na quadra.  O hasteamento das bandeiras ao som de uma banda militar uniu as famílias fundadoras, diretoria, baluartes, velha guarda, crianças e jovens dos inúmeros projetos sociais da Mangueira. Passado, presente e futuro reunidos no café da manhã, depois da queima de fogos.

Hora de alimentar as energias e elevar o espírito trazendo bons fluidos com a lavagem da quadra e das escadarias do Palácio do Samba. Baianas paramentadas da escola, ao som de atabaques, abriram os caminhos e pediram benção aos orixás.

O descerramento de uma placa homenageando os fundadores ao lado da muda de uma mangueira que será plantada no espaço e a distribuição do calendário comemorativo dos 90 anos encerraram a manhã.

Festa na favela

A pausa durou pouco. Logo a quadra começou a encher para a feijoada de comemoração. Mangueirenses ilustres como Alcione, Beth Carvalho, Nelson Sargento e a Velha Guarda dividiram o palco com convidados. Ferrugem, Teresa Cristina e Roberta Sá passaram por lá.

 Batuque no porto

Não dava mais para se mexer no Palácio do Samba quando uma comitiva composta por representantes da diretoria, ritmistas e o segundo casal de mestre sala e porta bandeira partiu para o Museu de Arte do Rio, o MAR, na Praça Mauá, região portuária carioca. Uma participação estava prevista para a abertura da Exposição “O Rio do Samba, resistência e reinvenção”.

Um manto verde e rosa ornamentava o teto projetado do edifício. Em frente, do outro lado da praça, na beira da Baia de Guanabara, as mesmas cores desenhavam a estrutura do Museu do Amanhã.

No retorno ao reduto mangueirense o presidente Chiquinho apresentava a equipe e anunciava as contratações para o carnaval 2019. Marquinho Art Samba, o novo intérprete, foi muito bem recebido pela comunidade.

O som dos seus tamborins

Cansou? Ainda não era hora de encerrar a festa. A feijoada deu o tempero, mas ainda faltava um toque mangueirense para firmar a celebração. Era a batida inconfundível do surdo um. A que marca o ritmo da primeira ala.

Mestre Wesley não se fez de rogado ao assumir, pela primera vez, o comando da bateria. Quando a cortina com o símbolo máximo da Mangueira que escondia o espaço e o palanque da bateria se abriu, o que se viu, ouviu e sentiu foi a essência verde e rosa, o coração pulsante do morro da Mangueira. Em sua mais completa tradição…

Se depender do alcance de suas batidas e das vozes apaixonadas de seus componentes, além desses 90, serão muitos, muitos anos de glória. Salve o povo da Mangueira que, por ela, tem um amor que nunca tem fim.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “É Carnaval”, do SEM   FIM…delcueto.wordpress.com

Edição Gustavo Oliveira
Diagramação Luiz Márcio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.