Pânico Viral

Pânico viral

Texto e foto de Valéria del Cueto

As imagens alegóricas das Fábulas Fabulosas ficam opacas e difusas, incapazes de transmitir ou traduzir   fidedignamente os últimos, os atuais e os próximos acontecimentos. Suas inevitáveis e imprevisíveis consequências.

O fator inexorável é que, seja lá o que venha a ocorrer, as cartas do jogo, da forma com que foram colocadas na mesa, indicam que não haverá regras nessa demanda. Será ladeira abaixo, sem direito a corrimão.

Não há tabuleiro de xadrez que absorva tantas casas, peças, movimentos e variantes. A cada evento uma ou mais novidades que tornam sempre inéditas e mirabolantes as ações, revelações e suas consequências. Não é coisa para amador.

Talvez, se o tabuleiro fosse tridimensional, desse para inserir todas as coordenadas dos eventos que surpreenderam, surpreendem e, pelo andar da carruagem supersônica, seguirão deixando gregos, troianos e baianos de boca aberta e totalmente sem ação.

Tudo parecia ir muito bem lá pelos lados da Floresta. Pelo menos do ponto de vista da atual direção administrativa do mundo animal. O conselho real, composto pelas raposas, hienas e urubus, e capitaneado pelo vice morcegão, como toda a bicharada sabe, assumiu as rédeas do controle da vida na mata. Isso após avisarem a anta desavisada que a roupa nova da rainha não era tão bela quanto ela imaginava.

A selva parecia que ia ficando do jeito que eles queriam. Já havia até motivos de comemoração. Um ano havia se passado e, apesar da marcação cerrada do Guarda Belo e seus assistentes, o Manda-Chuva ainda era o dono do pedaço.

Até que, ao final de uma quarta qualquer, um alarido começou a fazer todo mundo sair numa correria desabalada na direção da clareira. Um bando de baratas tontas, desgovernadas e sem direção, protagonizava um espetáculo contagiante.

Dali a pouco macacos pulavam, araras gritavam, tucanos tentavam se camuflar nos galhos das árvores, esquecendo a alegre e nada discreta coloração de seus enormes bicos. Deslocamento naquelas circunstâncias nem pensar. E o risco de serem abatidos em pleno voo?

Ninguém sabia direito o que os papagaios papagaiavam, num alarido que chegava aos mais remotos recônditos da floresta. Não importava. Para quem não devia nem temia e pra quem tinha rabo preso também, era hora de correr pro centro da clareira e descobrir que diabo era aquilo. Seria o apocalipse? O tom era premente, de urgência.

E para lá foi a bicharada. O espetáculo era estranho. O dono dos bois atirando para todos os lados, como se ali fosse seu território. A cúpula da floresta paralisada, já cogitava mandar sua administração às favas, sem saber se poderia contar com o apoio das feras do pedaço. Seus chamados, apesar de encaminhados pela macacada, os mais ligeiros mensageiros, não surtiam os efeitos desejados, trazendo para o epicentro local lobos, leopardos ou sequer uma oncinha para apoiá-los e/ou defende-los.

Cada espécie tentava diminuir os reflexos dos acontecimentos em seu próprio umbigo. O importante era garantir sua própria pele. Se fosse possível, assegurando seu espaço no habitat. Água e alimento eram essenciais para a sobrevivência na floresta.

A passarada ia e vinha bicando trechos de conversas, num leva e traz de informações picotadas. O disse me disse crescia na mesma proporção em que as atividades rotineiras eram abandonadas. E a bicharada… corria!

Parecia um incêndio na floresta. Mas, e as labaredas? As cores avermelhadas que contrastavam com a silhueta da vegetação exuberante que em instantes, depois das ondas de calor insuportáveis, não estariam mais ali, onde estavam as labaredas?

Tampouco parecia ação impiedosa de motosserras. Onde estava o barulho insuportável dos motores e os gritos de dor e perplexidade da vindos da mata abatida? Havia traços de desastre no ar. Faltavam indícios do que estava provocando aquela tremenda confusão.

Depois do susto e do anúncio do vice-morcegão de que não haveria renúncia, a bicharada da floresta aguardou por dois dias, acompanhando os lances da demanda que apareciam aos poucos. Mas aí, chegou o final de semana, a adrenalina caiu, as expectativas minguaram e todo mundo resolveu voltar para casa e aguardar por lá o desenrolar dos acontecimentos.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “Fábulas Fabulosas”, do SEM   FIM…  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s