Morro abaixo que São Paulo ajuda!

rndunas-160826-110-rn-dunas-morro-do-sao-paulo-edino-filhoMorro abaixo que São Paulo ajuda!

https://delcueto.wordpress.com/2016/09/10/o-povo-da-areia/Texto e foto de Valéria del Cueto

Depois de lagoa com jegues de chapéus floridos, oásis, dromedários, espetinho de lagosta, travessia de balsa, aventuras escorregadias de skibunda e voadoras de aerobunda, o que mais poderia faltar no meio de tanta beleza?

Seguindo pela fralda de uma duna no litoral potiguar, ao norte de Natal, vê-se ao longe uma praia paradisíaca. De repente, bandeiras vermelhas sinalizam o perigo. As amarelas indicam o caminho: uma guinada forte à esquerda e… o vazio!

Faltava a adrenalina final, a sensação de despencar no vazio, duna abaixo, sem nenhum aviso ou alerta…

Imagina trabalhar ouvindo gritos a cada um buggy que despenca num dia ensolarado pelo Morro do São Paulo, na praia de Porto Mirim, entre a Jacumã e Muriú, Rio Grande do Grande do Norte? É o que acontece com (Francisco) Edino Rodrigues, 43 anos, de Fortaleza, Ceará, e sua família, há 3 anos vivendo da sensação no pé da duna.

Tecnologia é tudo! Toda a aventura é registrada em fotos e vídeos por 2 câmeras semi-profissionais, disparadas no meio e embaixo da elevação, e um celular, usado pelo responsável por avisar aos demais que o buggy está se aproximando.

Quando o veículo para na parte de baixo da duna, o clima é de alívio, alegria e descontração. Nisso, Edino é craque!Depois da descida morro abaixo, a cerveja.

Para começar, tem bons argumentos para seduzir o turista. Depois do susto, da adrenalina e da aterrisagem, o que é melhor do que uma cerveja branquinha por fora de tão gelada para molhar a garganta ressecada? Também tem água e refrigerante.

Isso enquanto você é convencido a comprar, por 20 reais, as imagens da sua histórica descida. Uma parte do valor é o comissionamento (merecido) dos bugueiros, essenciais para fazer os turistas chegarem ao Morro. Num dia bom descem 70 buggys, 40 param e 32 compram o serviço.

No empreendimento trabalham Edino, Neuma, sua mulher, seus filhos Francisco e Lucas, de 14 anos, que  – moderno – me passa as informações por whatsapp, um tio e mais 3 funcionários.

O chefe da família trabalhava no turismo na região de Natal. Há 20 anos, largou o ramo e foi cuidar da vida. Fez um monte de coisas. Até que, vendendo frango na região da praia de Porto Mirim, conheceu a duna e o cajueiro erótico (outra atração do local) ao seu pé. Demorou um tempo para cair a ficha, vislumbrar a  possibilidade de explorar o local e voltar para o ramo.rndunas-160826-104-rn-dunas-morro-do-sao-paulo-edino-e-seu-cajueiro

“Meu pai já trabalhou em tudo que é digno e nunca deixou nos faltar nada. Ele diz que todo trabalho é digno, só temos que fazer bem feito”, afirma Luca. Na conversa explica que é vendedor, fotógrafo e faz de tudo um pouco. Conta que a parte que mais gosta é quando vê que o turista está satisfeito com o trabalho, “No final de tudo eu digo: foi uma satisfação imensa tirar o seu dinheiro. E ele dá aquela gargalhada de satisfação…”

Os próximos passos serão colocar artesanato para ser vendido e implementar uma cachaçaria com rótulo próprio. O projeto visa multiplicar os empregos na região e divulgar a cultura local.rndunas-160826-109-rn-dunas-morro-do-sao-paulo-tapera

Edino também tem planos a longo prazo. Pretende construir ele mesmo as edificações no terreno usando a técnica e o material que viu seu pai fazer a casa em que morava, no Ceará. “Como uma aldeia de pescadores, tudo de taipa”

Seu xodó é Esther, sua sétima filha,  a única mulher, que tem seu papel na hora de recepcionar os visitantes “quando o turista não compra ela morde o calcanhar dele, ou então chora…”, brinca, todo bobo.

Foi dele que recebi a mensagem no facebook: “Abestada, já comecei a primeira casinha”, cobrando a promessa que pretendo cumprir de voltar lá para registrar em vídeo a história desse cearense arretado e batalhador! rndunas-160826-099-rn-dunas-morro-do-sao-paulo-edino

*A visita ao Morro do São Paulo foi uma sugestão do Sandro Bugueiro, condutor do buggy que aparece nas imagens gentilmente cedidas pela equipe @morrodosoapaulo.fotos.video

**Viagem realizada a convite do Governo do Rio Grande do Norte, Setur-RN/Emprotur, com recursos do RN Sustentável.

** Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Crônica da série “Nordeste” do Sem Fim…

Mais descobertas em Quem procura, acha” e “O povo da Areia

ILUSTRADO SEGUNDA A SÁBADO 2016.indd

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s