As páginas da folia

As paginas da folia

Análise de enredos, sambas, crônicas e livros de arte.  Como na festa, a temporada literária carnavalesca carioca tem de “um tudo”

Texto e foto de Valéria del Cueto

O samba é literatura, inspira a cultura, transborda e extrapola sua exuberância quando estende seus braços  para um abraço apertado em seu mundo, o do carnaval. Especialmente o carioca. Juntando a fome com a vontade de comer, o passo e a contradança, só falta embalar com carinho as histórias contadas em tantos enredos visuais e musicais. Todos os anos tem gente tentando entender e registrar os acontecimentos maravilhosos que se desenrolam no centro geodésico do carnaval carioca, as escolas de samba. E é gente de valor.

Os lançamentos literários carnavalescos da temporada 2015 começaram ainda em novembro, na tradicional “La Fiorentina”, no Leme, com “O Inverso das Origens”, de Rosa Magalhães e Maria Luiza Newlands, pela editora Nova Terra. A campeã em títulos do Sambódromo destrincha seus enredos e os situa no contexto em que foram criados e desenvolvidos.

Seu último campeonato foi com festa do Arraiá, da Vila Isabel, em 2013. Esse ano, na São Clemente, seu desafio é trazer para a Sapucaí a história de Fernando Pamplona, o “Pai dos Carnavalescos”, que nos deixou ano passado.

PraTudoComecarNaQuintaFeira_CAPA

Porém… antes de sua partida, Fernando Pamplona  publicou sua autobiografia, “O encarnado e o branco”. Feitas para esse livro, mas não utilizadas, suas ilustrações são uma das ”cerejas do bolo” que enfeitam o novo livro de Fábio Fabato e Luís Antônio Simas, “Pra tudo começar na quinta-feira”: a trajetória do Carnaval carioca a partir dos enredos das escolas e de seus carnavalescos. O lançamento será no berço do samba, na Casa do Porto, no Largo de São Francisco da Prainha, centro do Rio, no dia 07 de fevereiro, a partir das 14 horas, num clima de muito samba e cerveja, com direito a bate papo com os autores e com escritor Alberto Musa.

Fabato também é o responsável por mais um título da série “Família do Carnaval” que desde 2012 vem fazendo um passeio muito íntimo por deliciosas histórias das agremiações cariocas. Este ano foi a vez de “As Primas Sapecas do Samba – Alegria, crítica e irreverência na avenida” da Editora Nova Terra. São 36 crônicas com passagens sobre as escolas  Caprichosos de Pilares, contadas por Vicente Dattoli a São Clemente, sob os cuidados de Eugênio Leal e a União da Ilha do Governador, a cargo de Anderson Baltar. Todos jornalistas apaixonados falando sobre suas paixões…

livros

A série começou em “As Três Irmãs: como um trio de penetras “arrombou a festa” abordando a carnavalização da ascensão de Beija-Flor de Nilópolis, Imperatriz Leopoldinense e Mocidade Independente de Padre Miguel no cenário das grandes escolas. Depois foi a vez de “As Titias da Folia – O brilho maduro de escolas de samba de alta idade” que resgatou as memórias da Unidos da Tijuca, Vila Isabel, Viradouro e Estácio, lançado em 2014  e vencedor do Prêmio Edison Carneiro de melhor livro de não ficção sobre carnaval.

Também está na boca do forno “O enredo do meu samba: a história de quinze sambas-enredos imortais”, de Marcelo de Mello, pela Record. O primeiro é de 1964, o último de 1994. O Editor-Assistente do Globo e integrante do Júri do Prêmio Estandarte de Ouro, mantém a tradição e revela detalhes em forma de crônicas sobre como estes sambas foram feitos e por que se transformaram em ícones musicais.

Carnaval é cultura - baixa

Estava de bom tamanho para uma safra literária carnavalesca, se não faltasse um último acréscimo à  animada biblioteca carnavalesca carioca. Nesta sexta, dia 06 de fevereiro, mais um evento de lançamento vai movimentar o mundo do samba. E esse, de acordo com a personalidade do autor, vai fazer muito barulho. Será na tenda central da Cidade do Samba, às 13 horas e tem previsão de encerramento às 19 horas, se tudo for cronometrado, como é nos desfiles oficiais. Pelo palco passarão “embaixadas” de 7 escolas de samba cariocas homenageando o autor que já foi carnavalesco em cada uma delas: Beija-Flor, União da Ilha, Unidos da Tijuca, São Clemente, Porto da Pedra, Viradouro e Cubango.

Mais uma dica: na feijoada – é, é feijoada – estarão presentes a caráter representantes de vários segmentos do carnaval: as clássicas baianas de Maria Moura, destaques carnavalescos, passistas, performers, transformistas. Tudo numa mistura tão instigante quanto o perfil do autor paraense, animador cultural e multimídia: cenógrafo, figurinista, diretor, colunista, comentarista de televisão (Globo, Band, CNT, Record, TV Brasil), produtor cultural e… carnavalesco.

É esse último perfil, o de carnavalesco, que Milton Cunha desvenda comemorando seus 20 anos de carreira com a publicação de “Carnaval é cultura, poética e técnica no fazer Escola de Samba”, pela editora Senac São Paulo. São 500 imagens extraídas de seu acervo, anotações e referências do seu trabalho no mundo do carnaval.  A “espiada” inclui detalhes dos enredos, revela seu processo criativo e esmiúça os bastidores do fazer carnavalesco que passam diante dos olhos do leitor como elementos de uma grande escola de samba, embalados pelo enredo “A diversão é o que iguala a humanidade”, frase que Milton Cunha usa ao apresentar em livro o conjunto de sua obra carnavalesca.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série ‘É carnaval”, do SEM FIM… delcueto.wordpress.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s