Aonde dá a onda, por Valéria del Cueto

Leme 140822 448 onda goela

Texto e foto de Valéria del Cueto

Tá no mar? Dentro d’agua? Pagou pra ver? Então se prepara… Nada num dia é igual após o outro.

Às vezes, mansa. Outras, com marola. A vida pode ser um sossego com céu de brigadeiro. Assim meio lagoa, tipo piscininha. Verde esmeralda, azul translúcido. Água tépida, boa para boiar e nadar.

Essa é a praia ideal? Para alguns, talvez. Para outros, nem tanto. Nada é permanente. Ondas, elas tem que existir. É o ir e vir.

Delas dependem as manobras, o desenho riscado nos picos no ritmo inconstante ditado pela força do mar.

Bom para os atletas observadores dos ventos que acariciam ou açoitam a superfície e atiçam as correntes marinhas.

Vento que venta na direção do instante, ainda fácil de dominar com alguma habilidade. Longos mergulhos, o vai e vem praia e espera, depois da arrebentação.

Na beira, é como pular corda. Tem que saber a hora de entrar e sair, o momento certo de chegar e agir.

Quanto mais alto, maior o risco, aumenta a emoção. O fator que amplia o tempo da descida pode ser decisivo. Ir ou não ir. Domar, evoluir ou tomar.

Tudo ali, nas mãos, braços e pés de quem se lança, ainda por opção. Respiração, força e ação.

Também há a tempestade. Viração sem perdão nem piedade. Tudo forte, ligeiro, pauleira, inexorabilidade.

Parece que não termina porque não há escolha, nem previsibilidade. O quase eterno sopro do gigante.

Uma magistral virada no vento e o oceano ruge.  Engole que nem fera. Exigindo concentração, esforço e braçada.

O segredo é não parar nem recuar.

Enfrentar de peito aberto o maior e mais forte. Seguir mar a dentro  enfrentando o perigo. Único caminho para fugir da área crítica.

Mesmo sem saber o que está por trás da gigantesca massa de água. Compacta e apavorante ela cresce cada vez mais. Domina a visão, sugestiona a mente.

Perdendo o fôlego, engolindo o medo, braçada após braçada, só resta aumentar – sempre – o ritmo.

Na cabeça só foco e certeza. A falta de uma braçada pode ser o que separa a parede demolidora nas costas da proteção das profundezas.

Ali, onde será possível aproveitar o repuxo avançando um pouco mais para fora do espaço que separa uma última chance do nada indesejável.

A fera cresce pronta para devorar ou, pior, cair como uma bigorna de milhões de quilos sobre o espaço no qual – sabemos – somos apenas um elemento a mais.

Sem preconceito, sem escolha. Por que ali, como na vida, quem decide é ela.

Por incrível que pareça, a única possibilidade é encarar. Sempre em frente. Fazer o possível para chegar o quanto antes diante do inevitável e, sim, afundar! No mergulho mais profundo que puder.

Depois é rezar para conseguir emergir e respirar novamente, antes de olhar o que havia por trás do  monstro.

Talvez outro, maior ainda.

E, aí, como na vida, saber que só há um jeito, começar tudo de novo: nadar, rezar e acreditar…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “Ponta do Leme”, do SEM   FIM…  delcueto.wordpress.com

GRAVATA 

A única possibilidade é encarar. Ir sempre em frente. Chegar o quanto antes diante do inevitável e, sim, afundar! No mergulho mais profundo que puder.

ILUSTRADO TER A A S BADO     NOVEMBRO  2009

Anúncios

Um comentário sobre “Aonde dá a onda, por Valéria del Cueto

  1. Talvez tomar uma vaca ou quem sabe um calhau na cabeça, experiencia dos que se deliciam no “doce” balanço do mar

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s