Coisa de cinema

Obras Rio+20 MAQUIAGEMTexto e foto de Valéria del Cueto

E assim, no meio do quase tudo, em que nada é estático ou irremovível como pudemos ver nos últimos dias no arrasa quarteirão do bairro mais chique do Rio de Janeiro, lá (ou aqui?) está a cronista.

Sem saber se vai ou vem. Fala, age ou vai pra praia, corre ou enfrenta seu desafio semanal de contar um conto, de preferência sem aumentar um ponto. Complicado. Delicado. Porém, necessário.

E entre tantas possibilidades, por mais que procure um assunto lúdico e ameno, as imagens do passeio treme terra dos vândalos e liberação do quebra-quebra, provocados pela ausência eficaz de ação policial, não saem da cabeça (ia dizer do foco, mas seria uma licença “vídeo produtiva” forçada demais, já que foco não foi uma constante no material amplamente distribuído ao vivo e a cores durante os atos registrados nos últimos dias).

Apreendo tudo ali pensando que, se ainda não chegamos aos tempos de “Matrix”, as projeções de “Soylent Green”, filme estrelado em 1973 por Charlton Heston, dirigido por Richard Fleischer, já batem a nossa porta. No Brasil o filme foi rebatizado de “No mundo de 2020”. Pois então, tirando o efeito alimentar, já estamos quase lá…

Não é por acaso que menciono esse filme. Também não sou a única a fazê-lo. A obra que assisti com uns 14 anos é citada e relida no filme “A Viagem”, estrelado por Tom Hanks, disponível em qualquer locadora. Se fosse só cinema…

E aí chego à questão principal dessa crônica. O que está acontecendo com a polícia, especialmente a carioca, nas últimas manifestações? Parece que dos manuais dos valorosos homens do Bope e do Choque foram extirpados os ensinamentos apresentados à sociedade, inclusive pelo cinema, nos espetaculares Tropa de Elite 1 e 2. Mas esses, obedecem ordens!

Não é possível que alguma lavagem cerebral tenha apagado das mentes das autoridades policiais constituídas táticas clássicas de guerra tão antigas como as usadas desde os tempos de Esparta e Atenas e do gênio militar da Macedônia, Alexandre o Grande.  

As cenas da coletiva dos representantes do governo estadual do Rio de Janeiro, na quinta feira, exaustivamente disseminadas em enormes matérias pelas redes concessionárias de televisão, foram patéticas, constrangedoras e preocupantes.

Um comandante reclamando que os policiais recebem cusparadas durante as manifestações é surreal! Agradeçam e digam amém. Se fosse numa guerra, seriam atiradas balas de verdade e não escarros de desprezo. A declaração de que policiais treinados durante anos também são cidadãos é uma balela. Se eles fossem cidadãos, estariam do lado oposto desse cabo de guerra. Estão ali e são tratados pelas autoridades como máquinas da lei e da ordem. Não têm direito a opinião, só a obedecer. E seu comandante em chefe, pasmem, é Cabral!

Os depoimentos colhidos pelos ninjas alertam que os policiais militares estão trabalhando direto. Um deles, disse que estava na rua desde 6 da manhã. Isso já durante a madrugada! Se não me engano, foi no dia em que o gás lacrimogênio ou de pimenta foi atirado em direção a um hospital, na rua Pinheiro Machado, em frente a residência oficial do governador.

Falta tática, estratégia e comando para definir as prioridades. A polícia que protege, agora, a casa do governador Sérgio Cabral no Leblon, não pode “delimitar um perímetro de proteção” e deixar que as coisas saiam e fiquem fora de controle do lado de fora da risca de giz definida pelas autoridades que, em última análise, deveriam fazer com que a PM cumpra seu papel constitucional de proteger o cidadão comum e o patrimônio público.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “Ponta do Leme”,  do SEM FIM… delcueto.wordpress.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s