As águas rolaram, o povo cantou… o santo abençoou!

Lav Sap 130120  034 setor 1 arquibancada chuva povo gritaTexto e foto de Valéria del Cueto

Estava indo, mas acabei ficando por que o tempo está virando de novo. Será praga de madrinha esse janeiro carioca, totalmente encharcado? São Pedro parece decidido a fazer uma lavagem geral, pra entrar na era de Aquário livre de impurezas.

E nós aqui, valorizando os guarda-chuvas e as capas impermeáveis, evitando os sapatos delicados e pedindo a Deus proteção para as chapinhas e escovas.

Esse, na verdade, não é o meu caso particular, adepta que sou da liberdade e da selvageria da minha cabeleira. Quanto mais molhado, maltratado e salgado, mais bonito ficam meus, agora, longos e rebeldes cachos. A mulherada em geral está sofrendo horrores!

A chuva abunda e prejudica o dia-a-dia da cidade, provocando a revolta dos moradores que sentem na carne a ineficiência dos órgãos públicos e o agravamento gradual do que a propaganda oficial diz que está sendo melhorado. Será nosso dinheiro jogado fora que entope os bueiros e provoca alagamentos cada vez mais intensos e rigorosos na cidade maravilhosa?

Sei não… só sei que os camelôs acabam se dando bem e as sombrinhas com imagens de pontos turísticos do Rio, como o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e o bom, velho e, agora, inoperante Maracanã passeiam sobre as cabeças que tentam se protegerem da água que Deus nos manda com abundância e intermitência nas últimas semanas.

O aguaceiro afeta a vida, mas não a interrompe. Alguns hábitos se transformam, outros sobrevivem e superam as intempéries ignorando a molhação.

Rodei, arrodeei, mas sei onde quero chegar, igual a essa chuva persistente de pancadonas e pancadinhas.

Semana passada, matei o ensaio técnico das escolas de samba na Sapucaí no sábado – estava chovendo(!), mas não fugi da raia no domingo, dia de São Sebastião e  da lavagem do Sambódromo pelas maravilhosas baianas cariocas. A cada ano, o cortejo fica maior e mais emocionante!

Lá fui eu, com meu kit “pode cair o mundo”, rezando pra que os deuses do samba e do carnaval protegessem ao menos meu equipamento. Fotografia é assim, um vício delicioso em que a gente procura registrar de um jeito diferente o que está ali, pra todo mundo ver.

Os atabaques nem precisaram soar e o céu já estava caindo, desafiando os fotógrafos a protegerem seus equipamentos, ou arriscarem suas lentes, naquela que pode ser a foto derradeira. Quando os tambores firmaram descia água a vontade.

Corri pra onde todo mundo correu e, é claro, não havia proteção pra tanta gente. Voltei pra baixo d’água, conformada com minha sina de pinto molhado e temendo que a festa fosse prejudicada.

Foi quando ouvi. Um canto. O canto. De todos! Sem amplificação, só do coração. Das milhares de almas que estavam ali. Se sentindo abençoadas e fazendo questão absoluta de manifestarem por meio dos sambas entoados, a fé na manifestação religiosa que ali acontecia.

Larguei de mão todos os meus medos, o receio de perder minha única câmera fotográfica, a que usarei durante o carnaval que se aproxima. Se, ali, cada um representava seu papel, o meu era de registrar aquela sintonia celestial. E se havia – e há – a famosa proteção, as bênçãos dos meus santos me guiariam pela tempestade, afinariam meu olhar e dariam passagem para as imagens emocionantes que refletiam na pista alagada da Avenida do desfile principal, a Marquês de Sapucaí.

E assim aconteceu com quem, com fé e oração, se deixou levar pelas águas purificantes de São Sebastião…

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Essa crônica faz parte da série “É Carnaval”,  do SEM FIM… delcueto.cia@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s