Tradição e Esquema Novo, Porto Alegre/RS

Porto-02

TRADIÇÂO E ESQUEMA NOVO
texto e fotos de Valéria del Cueto 2006

Estou no meio do caminho entre o Rio de Janeiro e Cuiabá e aproveito o tempo de espera na escala em São Paulo para falar de Porto Alegre, onde estive há algumas semanas.

Fui pro Cine Esquema Novo, festival sem bitola, que selecionou o História Sem Fim… do Rio Paraguai – o Relatório, e, com isso, incluiu o curta pantaneiro numa lista especial: a dos filmes desbitolados.

Não tinha noção do alcance da proposta da moçada que organiza o evento, até acompanhar as sessões competitivas, na Sala Gastal, Usina do Gasômetro, sede do Festival. E lá estava a mais forte e importante característica do CEN – CineEsquemaNovo: valia de tudo. De 35mm, como é o caso do curta, a obras de artes visuais, capturada por câmeras de celulares.

Se o convite para participarmos da Mostra sobre Metalingüística, no Curta Cinemateca, da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, no mês de abril, havia nos colocado junto com “Fazendo cinema”, de Anselmo Duarte, “Mensageiras da luz: parteiras da Amazônia”, de Evaldo Mocarzel e “O Sanduíche”, de Jorge Furtado, a participação no CEN carimbou “História Sem Fim… do Rio Paraguai – o relatório”, como um filme Esquema Novo. Se a proposta agrada, ou não, é uma outra questão.

Mas… Se o pulsar de Porto Alegre e sua juventude contagia os vários locais da exibição, a cidade não se resume a este espírito.

CIRCULANDO

Do centro da cidade, sede do evento, me expandi para outras paragens, revi amigos, dei uma banda para os lados de Moinhos de Vento, vistoriei o Botequim das Letras, um point com ares cariocas e me aqueci nas geladas noites gaúchas com o caldinho de feijão, especialidade da casa, tendo que concordar com a gerente do lugar, minha amiga Tati Testa, que o dito cujo é “parecido” com o caldinho do Bracarense, botequim tradicionalíssimo do Leblon, no Rio.

Compensei minha falta de imaginação (sair do Rio para freqüentar o boteco carioca de Porto Alegre é dose!), fazendo um raid solitário no Ocip, na cidade baixa onde provei uma pizza ma-ra-vi-lho-as. (Pizza não é coisa de paulista?)

POEIRA E PAMPA

Tudo muito bem, tudo muito bom mas… E as tradições gaúchas que tanto amo e prezo? Afinal, descendo delas por três dos meus quatro costados. Só meu avô por parte de mãe não é oriundo dos pampas.

De chimarrão, me encharquei num almoço na casa de Liege Nardi, uma das organizadoras do Festival de Gramado. Também comi costela assada. De sobremesa, hummm chocolates de Gramado.

Caí de boca mesmo quando encontrei meus primos de Bagé. Foi na casa deles que me deliciei com um borrego assado no molho de vinho espetacular. Coisa de Gourmet.

Na véspera, num lanchinho básico no apartamento de outra prima tinha ativado minha memória culinária saboreando um daqueles doces cuja receita é segredo de estado e, mesmo que não fosse, eu jamais teria competência para fazê-lo. Só de pensar
no merengue da cobertura…

Você já deve estar se perguntando se isso é um relato cinematográfico ou culinário.

PERCORRENDO A SAUDADE

Quem me conhece sabe que não sou exatamente uma entusiasta quando o assunto é comida mas, com o frio da região sul, o pouco tempo que tive para fazer esta viagem ao meu passado (morei no Rio Grande do Sul e há muitas décadas me casei por lá) A forma mais rápida que tive de me integrar a paisagem foi, sim, através da culinária.

Sempre que possível acompanhada de bons vinhos gaúchos, argentinos ou uruguaios. Aí, a conversa rola solta, sobre o pampa, a música nativista, agricultura, pecuária e a crise. Nada que hoje seja apenas uma realidade sulriograndese espalhada que foi esta rica cultura por muitos pontos do país. Nada mal para quem, como eu, sempre viaja em busca da alma dos lugares que percorre.

O vôo está chegando a Cuiabá, próxima parada da História Sem fim. Deixo para trás os pampas e me preparo para rever o cerrado e, quem sabe, o pantanal, onde esta história começou há quase dez anos atrás. E dá-lhe distância, lembrança e saudade…

Valeria del Cueto é jornalista e cineasta liberado para reprodução com o devido crédito. Da Série Fronteira Oeste do Sul
http://delcueto.wodpress.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s