Super Escola de Samba – o que será?

Imperio-S-120218-394-bateria-Wilson-das-Neves

21/02/2006

Na véspera do carnaval é praxe surgirem polêmicas sobre a festa e suas formas de manifestação. A mais famosa, o desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, no Sambódromo, tem sofrido modificações radicais nos últimos anos: em sua forma, conteúdo e estrutura. Este ano, ficou pronta a Cidade do Samba, na Gamboa, onde estão reunidos todos os barracões das escolas. Mas, e o samba, o enredo, a espontaneidade? Onde está a comunidade?

O instrumentista, compositor e cantor Wilson das Neves, líder da Velha Guarda do Império, fala da bateria, do andamento do samba e outras questões. Numa aula de samba e história o baterista de Chico Buarque analisa como o que foram, são e serão as escolas, estrelas máximas da indústria do carnaval carioca.

BATERIA, O CORAÇÃO DA ESCOLA

Cada um tem a sua maneira de levar. Nós não somos iguais. Ninguém é igual a ninguém, somos parecidos, é o que estou dizendo. Mas, cada um, tem a sua maneira de ver as coisas, de conduzir e de saber o que quer. O importante é que ele, sabendo o que quer, transmite para a bateria.

Pode ter 200, 300 componentes. Ele sabendo, tendo consciência daquilo que está fazendo, transmite. Não precisa falar muito. Tudo é atitude. Você consegue.

CARACTERÍSTICAS

Cada bateria tem a sua característica própria. Eu sou contra esse negócio de mudar diretor. Por exemplo: se ele é da Portela, não tem que ir para o Império ou para o Salgueiro. Ele tem que ficar na Portela, que ali é que é a característica da bateria. Por que as baterias não são iguais.

Parece que são iguais, mas não são. Elas são parecidas, mas têm sempre uma acentuação diferente fazendo a mesma coisa, o mesmo samba. Mas aí é suingue, cada um tem o seu.

Ninguém toca um instrumento igual ao outro. Toca na mesma linha, mas igual, igual, igual não toca. Porque cada um é um sentimento diferente. Cada um vê de um jeito, e as baterias têm suascaracterísticas. Elas são todas diferentes no resultado. Na maneira de tocar, até podem ser
parecidas, mas no resultado… No que resulta aqueles instrumentos tocando juntos, são diferentes.

TOQUE PARA O SANTO

Inventam muito… É aquele negocio das pessoas quererem criar coisas novas e, às vezes, excedem. Mas o Império continua tocando para Ogum, a Mangueira continua tocando para Xangô. São Sebastião é o Salgueiro que continua tocando para Oxossi.

Aquela tradição ainda tem porque existem os fundamentos nas escolas. Agora, as outras mais novas, eu não sei. Estou falando das quatro que eu sei que têm aquele fundamento do santo do candomblé. E o Império, a minha escola, continua tocando para Ogum. A batida é em reverência para Ogum. E isso não mudou, não.

CORRIDA MALUCA

Eles estão mudando é o andamento. Estão correndo muito, está virando quase marcha. Porque o samba está correndo tanto que eu não estou entendendo onde é que eles vão chegar. Porque está tudo correndo, tudo marcha.

Até a maneira de cantar o sujeito não canta samba, por que não dá para articular, não dá para suingar. Canta marcha.

SUPER ESCOLA DE SAMBA – IDENTIDADE

Escola de samba pra mim não dura 10 anos. Vai acabar, vai virar outra coisa. Aliás, já virou, né? Não é mais aquilo. Inclusive estão todas parecidas, tudo igual, uma mistura de cores danada. Você só sabe que é a Mangueira que está lá quando olhar a bandeira. Você só sabe que é a Portela quando vê a bandeira. Então está perdendo a autenticidade. É o luxo. A escola de samba cresceu muito no luxo. Carros alegóricos…

RESUMO DA ÓPERA

Escola de samba, na minha opinião, é gente, não é carro, não é nada disso. Não é artista de televisão, não é mulher nua. Escola de samba é gente cantando. Escola de samba o que é que é? É o resumo da ópera. É você cantar, dançar e tocar ao mesmo tempo. Escola de samba é isso. É o resumo da ópera, onde se casam as três coisas juntas. Está perdendo isso.

GRANDES SOCIEDADES

Cadê as pessoas? Estão em baixo dos carros. Você vê um carro e não vê as alas, as pessoas. Mudaram tudo, você vê os sambas. Depois que criaram esta figura de carnavalesco, que não existia, é que começou a modificar. Porque eles têm delírios e eles não entendem de tudo. Eles sabem até aqui.

Agora, tem um outro lado que eles não sabem. Ninguém entende de tudo. Então, eles começaram a inventar esta coisa grandiosa.

Escola de samba, na minha opinião, é gente. Não adianta colocar 20 carros. O carro enguiça, atrapalha, e quebra. Antigamente era um carro só que ilustrava o enredo. Era o abre alas e um carro mostrando enredo.

Foram inventando. Daqui a pouco não tem mais gente. Vai vir tudo trepado no carro. Vira grande sociedade, que era o que tinha antigamente. As grandes sociedades desfilavam ao som de marcha, por exemplo. Porisso eu estou dizendo que a escola de samba vai mudar.

É LUXO SÓ

Quando passa, pra mim não passa uma escola de samba, passa um desfile militar, de tão organizado que é. É muito matemática a coisa. Eles não desfilam pro povo, eles desfilam para jurado. E o jurado vê aquilo tudo certinho, é essa que é a campeã. É um luxo danado. Carros que custam não sei quanto. Fantasias caríssimas.

Então, escola de samba está tomando outro rumo. É o eu estou dizendo pra você. Está mudando. E o Império Serrano entrar neste esquema… É outro papo. A Mangueira é outro papo. A Mangueira você vê, é um tapete de gente.

SEM PATRONO…

De repente é por que não tem dinheiro pra isso, por que lá não tem patrono. Lá não tem ninguém que dê aval. Por que ninguém dá dinheiro. Dá o aval para comprar as coisas. O Império não tem isso. Tem que fazer o carnaval com o que fatura. E com a subvenção. Talvez por isso…

SAMBA SHOW

O problema de samba, é que os compositores da antiga foram se afastando porque você tem que pagar ônibus para levar a torcida, você tem que pagar panfletos, você tem que dar cerveja para a bateria. Você tem que mandar não sei quem, comida… Isso fica uma fortuna e depois perdem porque ganha quem gasta mais. O samba enredo modificou, ficou um pique menor: um refrão e um verso, um refrão e um verso…

É aquele negócio do carnavalesco, eles dão uma sinopse, você copia todo mundo tem que falar aquilo que está ali. Ficam 500 sambas falando mesma coisa.

SAMBA CURTO

Isso veio de ¨Pega do Ganzê¨ pra cá. Quando Salgueiro começou. De lá pra cá começaram a modificar. Mas aquilo era uma característica do Salgueiro. Aí, todo mundo começou a dizer: ”Vamos fazer por que é pequeno, vai gravar no disco, o disco não pode passar de tantos minutos, senão não toca…”

Agora, eles estão fazendo como eles querem e não toca do mesmo jeito.

Outra coisa que vai acabar é o disco das escolas de samba. Por que ninguém compra. Você ouve tocar? Não vê, não toca. Essa época era para estar tocando em tudo que é rádio. E não toca mais. Vê como está acabando.

COMO ERA

Primeiro o cara dizia o tema, fazia o samba, aí que a escola ia desenvolver um enredo de acordo com o samba. Era o contrário. Hoje não, hoje você tem o carnaval e o samba para aquele carnaval.

A escola dava o enredo e os compositores iam para a biblioteca procurar. Procuravam em livros para saber a história Por isso que nascia Silas de Oliveira, Walter Rosa da Portela, Walter Rosa do Salgueiro, Zagaia e outros e outros mais. Lá na Mangueira, o Jurandir. Essa turma toda fazia samba assim.

Hoje não, hoje você tem que escrever o que está lá, o que ele te dá. Está mudando tudo. Uma cabeça só pensante. Alegoria era feita pelos componentes da escola. Com jornal, moldava, pintava um bigode, era o Duque de Caxias. Hoje não, é essa suntuosidade. Uma fortuna que ninguém agüenta.

O SAMBA ENGOLIDO POR SUA PRÓPRIA CRIAÇÃO

Exatamente. O samba de quadra, por exemplo. Por que não tem samba de quadra. O compositor gasta uma grana para botar o samba enredo. Perde. Ele vai gastar grana para levar um samba pra quadra? Ele não ganha nada. Ele tem que gastar para botar os panfletos.

Por isso é que tem samba que tem 10 parceiros. Dois fazem o samba e o resto paga. É assim que está procedendo a coisa, por que um só não agüenta. Tem que ser 4, 5. Para dividir, embora eles não participem.

VALE O DINHEIRO

O sambista é que tem que ver pra onde é que isso vai. Por que entregaram na mão de quem não sabe, na minha opinião. A maioria já tem noção disso, os mais antigos. Tanto é que se afasta. Não adianta. É uma briga de cachorro grande, você não vai ganhar nunca. Por que você vai acabar falando sozinho, indesejado. Por que tudo é o dinheiro. A Escola de samba hoje é o emprego de muita gente. É emprego igual futebol. Todo mundo quer ganhar dinheiro com futebol. Todo mundo quer ganhar dinheiro com o samba. Ninguém vai lá pra botar nada. Vai lá pra ganhar. Então, você, que está ali por amor…

PORTA-BANDEIRA E MESTRE-SALA

Você não vê a questão da porta-bandeira? A porta-bandeira era uma mulata da Comunidade. Davam um banho de loja. Uma mulata bonita que dançava, era a melhor passista da escola. O mestre-sala idem. Ela ia por que era uma honra carregar a bandeira. Agora, quem vai para o Salgueiro ganha cinqüenta, a outra vai não sei pra onde ganhar trinta… E perdeu o amor, cada hora estão numa escola, fazem elas muito bem. Se alguém quer pagar, me dá!

TROCA-TROCA

Mas escola de samba não era isso. Na minha opinião. Eu acho que carregar a bandeira da escola não é isso. Você vem com a bandeira de uma escola que você não gosta? Como é que eu vou dizer que a Portela é a escola da minha paixão se eu sou Império Serrano? É isso aí. É esse tipo de coisa. Compositor sai de uma e vai para outra. Compositor que inscreve 4 ou 5 sambas em tudo que é escola. Não aparece o nome, mas ele inscreve.

É o dinheiro.

ESTAVA ESCRITO

É o fim do mundo. O fim do mundo que Nostradamus fala é isso. Começa nas pequenas bobagens. É só isso grana, grana, grana, grana. E o pior de tudo, não tem mais o que? As pessoas se isolando, com medo. Você não pode deixar nada que todo mundo rouba, todo mundo assalta. Tudo é dinheiro. Vai fazer o que? A escola de samba não vai fugir da regra: é dinheiro. Até acabar.

CARNAVAL CARIOCA

Como acabaram com o carnaval carioca. Eu nasci em 36, fiz 69 anos. Eu vi o carnaval na rua. Você não andava na Avenida Rio Branco. Era um bloco pra lá, você ia pra lá num bloco, voltava noutro. Aquele movimento: escola de samba, frevo, rancho. Tinha tudo isso. Hoje em dia só tem o que? Escola de samba. E vai acabar. Vai acabar, na minha opinião vai.

Pode crer. Vai virar outra coisa. Com música eletrônica e tudo.

TRADIÇÃO IMPERIANA

Eu vou dizer pra você; o Império ainda é uma das escolas que é democrática, o presidente é eleito. E ainda guarda um pouco da tradição. O Imperiano tem isso. Ele é muito na dele, ele não se mete na dos outros.

Não quer saber da dos outros. O negócio do Império Serrano é lá. É lá na Serrinha. Lá, eles mesmos brigam, eles mesmos se defendem, se acusam, se atacam, mas mantém ainda da tradição.

FIM DA ALEGRIA

Você vê, aqui na Ilha (do Governador). Eu moro aqui perto da União da Ilha. A União da Ilha era uma escola solta, fazendo esses enredos: domingo, sol, praia, falando deles. Foram entrar no esquema de Beija-Flor quebraram a cara, desceram e pra subir é ruim. Por que perdeu sua característica.

Eu acho que a gente não tem que imitar ninguém. A gente tem que ser a gente. Eu vou tocar meu tamborim do meu jeito. Eu não vou imitar ninguém. Eu vou aprender como é que se faz. Pra eu poder criar a minha. Você vai ver um desfile de escola de samba é todo mundo igual. Eu não vejo diferença não. Diferença aonde? Na característica da bateria, a cor da bandeira e o samba. O resto está tudo igual.

Artista de televisão, trepado lá. Eles só focalizam o bumbum das mulheres famosas. Coisas importantes que acontecem no decorrer do desfile, eles não mostram. A hora em que a porta-bandeira e o mestre-sala vão se exibir eles não mostram.

Eles mostram o quê?
Sou contra. Eu se fosse o presidente da minha escola não tinha Monique Evans, Bruna Lombardi e não sei o que. Não tinha isso na frente da minha bateria.

Na hora que a crioula tem a chance de ser rainha. Aí, você tira e dá pra artista de televisão que ganha o ano inteiro. Você tira a oportunidade da mulata. A hora em que ela diz “agora é minha hora de aparecer”, você cata e bota uma famosa que não vale ponto nenhum, tanto faz estar a Luma de Oliveira, como a mulata do morro, não vale ponto. Não conta ponto nenhum. Ao contrário.

Só atrapalha. Que a televisão fica querendo mostrar a mulher e a bateria querendo andar, aquele monte de câmera.

Eu, se fosse presidente da minha escola: “Aqui não, quer sair? Sai numa ala. Sai lá, no chão, na ala. Compra a sua roupa e sai lá”. Não vale nada isso.

Essas mulheres…

Imperio-S-120218-219-bateria-Wilson-das-Neves-diretor

Valéria del Cueto é jornalista, cineasta e porta-estandarte do SuperSiteGood.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s